Dia Aberto :: Yôga & Meditação

capa fb

Yôga & Meditação – A tua primeira experiência

A Casa do Yôga está a organizar um dia aberto inteiramente dedicado a quem nunca praticou Yôga & Meditação e deseja conhecer o nosso trabalho na área.

Programa:
9h50 Recepção dos participantes
10h00 Aula de Yôga para crianças dos 6 aos 12 anos.

16h00 Recepção dos participantes
16h30 Prática de Yôga & meditação (adultos)
17h30 Ritual do chá
17h45 Yôga para famílias
18h30 Encerramento

O dia aberto é gratuito, no entanto é necessária inscrição para reservar vaga. Poderá inscrever-se em uma ou várias actividades.

Inscrições: escola@yogabraga.com ou 938 321 482

Yôga para crianças dos 6 aos 12 anos

O Yôga para crianças, aborda vários elementos do Yôga tais com técnicas corporais, respiratórias, descontração, meditação e visualizações criativas adaptadas às crianças que têm repercussões positivas tanto a nível físico, como mental e emocional.
A prática regular promove o relaxamento e a concentração, estimula a coordenação motora, a flexibilidade e força muscular, desenvolve bons padrões respiratórios auxiliando no combate da ansiedade e do stress e incentiva a consciência grupal e cooperação.


Prática de Yôga & Meditação (adultos)

É uma aula especialmente preparada para quem nunca praticou Yôga & Meditação. Nesta aula de 55 minutos vão poder conhecer as seguintes técnicas:

– exercícios respiratórios
– técnicas de limpeza orgânica
– técnicas corporais
– exercícios de descontração
– exercícios de preparação para a meditação

Ritual do Chá
O ritual do chá é algo que faz parte do nosso espaço há já muitos anos. É o momento para saborear um chá ou um chai (chá indiano de especiarias), mas é principalmente um momento de partilha da nossa aprendizagem e evolução nesta maravilhosa viagem de auto-descoberta que é o Yôga.

Yôga para famílias (crianças dos 6 aos 12 anos)

Aula especial para famílias, onde um adulto e uma criança executam técnicas de Yôga em dupla que estimulam a união e a confiança entre ambos, enquanto aprendem a respirar melhor, a desenvolver um corpo mais forte, flexível e saudável. Um verdadeiro momento de partilha, amor e diversão.

Anúncios

Mude sempre

seja mais forte...Um texto que me inspira a procurar uma melhor versão de mim própria todos os dias.

Mude sempre
Mude tudo sempre.
Mude a cor do seu cabelo. Mude o corte, também.
Mude o lugar dos móveis da casa. Mude de casa também.
Mude o trajeto que você faz para ir ao colégio. O do trabalho também.
Mude o sabor do sanduíche predileto. E do sorvete também.
Coma menos carne e mais manga. Menos refrigerante e mais água mineral.
Com gás.
Mude o estilo da roupa. Use mais branco. E mais vermelho também.
Mude.
Mude sempre.
Mude seus sentimentos em relação aos amigos. E aos inimigos também.
Mude seus cuidados com a pessoa amada. E por quem lhe ama também.
Mude sua generosidade pelos que pedem. E mais tolerância com quem se doa a você.
Mude sua visão do trabalho e com quem você reparte 1/3 de toda a sua vida.
Mude sua visão da morte, da eternidade e do medo de morrer.
Não culpe nunca ninguém pelo lhe acontece. Nem Deus, nem o diabo nem a sorte.
Mude sua visão da responsabilidade. Você é o único responsável.
Cuide mais dos amigos, do seu pai e da sua mãe também.
Tenha um cachorro ou um gato. Com o nome bem pequeno.
Jogue fora o guarda-chuva. E a ansiedade também.
Às vezes fique só. Gente, o tempo todo, cansa.
E principalmente, mude os cuidados com o seu corpo.
Ele é o seu primeiro e único verdadeiro patrimônio.
Sem ele você não muda. Nada.
É no corpo onde habitam todos os verdadeiros desafios.
Ele é todo o seu território no qual são feitas as mudanças.
Então dê uma chance verdadeira a ele.
Mude-o todos os dias.
Respire mais, flexibilize-o mais , torça-o, distenda-o e finalmente relaxe-o.
Depois medite.
E tudo mudará para sempre.

Professor Joris Marengo

Auto-conhecimento

auto-conhecimento

Todos nós temos regiões desconhecidas, seja no corpo físico, na esfera emocional ou no que diz respeito ao que a nossa mente pensa ou deixa de pensar. Seriam como pontos cegos que você não vê, mas sabe que existem.

Quando alguém desenvolve mais lucidez sobre o corpo, as emoções e pensamentos, o resultado imediato é exercer melhor todas as funções e atividades, tanto no trabalho quanto no desporto, nos estudos, nas artes, etc. Passa a se relacionar melhor com a família, os amigos, os colegas de profissão.

O mundo está em constante transformação, bem como cada um de nós. Essa busca pelo autoconhecimento gera um indivíduo integrado com o seu tempo, preparado para os desafios que a vida naturalmente apresenta nos diversos papeis que exercemos.

A meditação, oriunda de tradições orientais muito antigas, é uma forma para atingir o autoconhecimento e vem sendo difundido no meio empresarial e desportivo como uma ferramenta para superar metas e alcançar objetivos. Muita gente acha que meditar é reduzir a consciência, mas é o contrário. É aumentá-la, é expandi-la, é adquirir mais lucidez. É nada mais do que um tipo de intuição, uma manifestação que todos nós já experimentamos, alguns mais outros menos. Trata-se de um canal que nos traz o conhecimento por via direta, sem a interferência do intelecto. Foi intuição aquele episódio familiar ou profissional no qual você sabia do fato, embora ninguém lhe tivesse dito ou telefonado. Simplesmente, você o sabia. Profissionalmente, talvez você o tenha deixado passar por não dispor de um respaldo racional, uma documentação ou bibliografia. No entanto, se tivesse lançado mão daquele conhecimento intuicional, teria passado à frente da concorrência. Depois, bastaria procurar a documentação adequada, ou as estatísticas necessárias para fundamentar o que você já sabia – fundamentá-lo apenas para que os seus pares não pudessem questionar as suas fontes.

Você pode, também, começar esse processo refletindo constantemente sobre as coisas que gosta ou não de fazer, forjando assim um estilo de vida de acordo com aquilo que lhe traz mais felicidade. Pergunte-se quais são seus pontos fracos e busque se superar em cada um deles. Saiba quais são suas qualidades e atributos, gerando não somente autoconfiança, o que é imprescindível para superar obstáculos mas, principalmente, descobrindo onde e quando exercer o que faz melhor. É sua obrigação saber quais são suas paixões, o que ama e o que desgosta. Só assim poderá construir uma realidade e um futuro baseado em escolhas certas.

Outra estratégia é lembrar de um momento da sua vida em que se sentiu melhor e mais feliz. Pergunte-se qual era o seu trabalho e quais as tarefas que exercia na época. Quem eram as pessoas mais próximas, os lugares que freqüentava, o seu desporto, as viagens, os hábitos em geral que caracterizavam aquela condição em que se encontrava. Realize uma verdadeira varredura em sua memória e descubra tudo o que fazia para aquela ocasião ter sido tão especial. Depois de refletir sobre isso, procure mudanças que se aproximem daquele instante, em busca do autoconhecimento.

Você pode ainda tomar consciência do seu próprio corpo. Comece, por exemplo, por descobrir qual é a sua respiração e como aperfeiçoá-la. Conheça seus limites físicos no que diz respeito ao alongamento, à flexibilidade, à resistência, através do desporto, da dança, de uma arte marcial ou de outro método que trabalhe o seu corpo. Tenha mais noção do espaço vital onde transita, gere consciência de movimento e observe como se desloca: se os objetos caem a sua volta ou não, se você tropeça enquanto caminha ou se jamais isso acontece.

Tudo isso, em última instância, conduz o indivíduo a conquistar mais lucidez sobre as coisas ao seu redor e, como consequência, a ter um nível muito maior de concentração sobre aquilo que realiza.

Inicie pelas ações quotidianas a ter mais autoconhecimento e aprofunde esse treinamento até descobrir o que lhe traz felicidade. Nos próximos dias, desafie-se a fazer menos ruído nas tarefas mais banais, como fechar uma porta, subir uma escada, colocar um copo na mesa. Amplie essa aprendizagem para o seu corpo físico, emocional e mental e desenvolva-se de forma completa. Em outras palavras, dedique mais tempo e atenção para si mesmo.

Artigo publicado na Revista Sports Mag de Setembro de 2013, escrito pela Profª. Naiana Alberti.

Pratique meditação!

(retirado do Blog do Espaço Braga | SwáSthya Yôga)

Meditação, dhyána em sânscrito, consiste em parar de pensar para permitir que a consciência se expresse através de um canal mais subtil. A prática de meditação consiste em concentrar-se e não pensar em nada, não analisar o objecto de concentração, mas sim pousar a mente nele até que ela se infiltre no objecto. “Quando o observador, o objecto observado e o acto da observação se tornam num só, isso é meditação”, dizem os Shástras.

A meditação é parte integrante do acervo de técnicas do Yôga e deve ser praticada nesse contexto. Praticar meditação sem as restantes técnicas do Yôga torna-a muitíssimo mais difícil além de ser mais prejudicial que útil. É fácil perceber porquê: cada um de nós possui um corpo físico, emocional, mental, intuicional e monádico. A meditação utiliza como base de treino o corpo mental, ou mente, que necessita desenvolver-se para entrar no estado de meditação. As principais habilidades a serem desenvolvidas são a abstração dos sentidos (práthyáhára) e  a concentração (dhárana), ou seja, precisamos aprender a aquietar, interiorizar, direccionar os pensamentos. Então, com os mantras,pránáyámaskriyásásanas e até o yôganidrá¹ fazemos todo um trabalho de preparação para a meditação.

Orientações para a prática de meditação:

Escolha um exercício de meditação e pratique-o durante pelo menos uns 10 minutos, todos os dias e sempre no mesmo horário.

1. Use roupa confortável, sente-se de forma descontraída sobre um cobertor dobrado ou um tapete de Yôga. Deixe as costas direitas e cruze as pernas.
2. Relaxe o rosto. Mantenha um sorriso discreto nos lábios.
3. Coloque as mãos em shiva mudrá: os homens colocam o dorso da mão direita sobre a palma da mão esquerda; as mulheres, o dorso da mão esquerda sobre a palma da mão direita.


4. Feche os olhos e respire lenta e profundamente a partir do seu abdómen.

5. Leve a sua atenção para o objecto de meditação que escolheu. Sempre que a atenção se desviar dele, traga-a de volta, seja persistente.

Nos primeiros tempos de prática vá experimentando vários exercícios de meditação. Depois escolha aquele no qual se sentiu melhor e pratique-o por um bom tempo até perceber resultados.

Saiba mais sobre os efeitos da meditação:
Como a meditação atenua a ansiedade
O que 1 mês de meditação pode fazer por si

O que é a meditação e como funciona:
O caminho da meditação
Meditação: uma explicação interessante
Meditação e autoconhecimento

Exercícios de Meditação aqui no Blog:
Meditação na respiração
Meditar na mensagem “O templo da paz está dentro de ti”
Meditação Ham Sa
Meditação no ashtánga yantra
Meditação na Lua cheia
Meditação So Ham
Meditação na chama de uma vela
Meditação no yantra do coração

¹ mantra, pránáyáma, kriyá, ásana e yôganidrá são técnicas do Yôga. Mais informações aqui: ashtánga sádhana

Gostas de ajudar ou ser ajudado?

Um dia um sábio mestre encarregou o discípulo de cuidar de um campo de arroz.
No primeiro ano o discípulo vigiava para que nunca lhe faltasse a água necessária. O arroz cresceu forte e a colheita foi boa.
No segundo ano, ele teve a ideia de acrescentar um pouco de fertilizante. O arroz cresceu rápido e a colheita foi maior.
No terceiro ano, ele colocou mais fertilizante. A colheita foi maior ainda, mas o arroz nasceu pequeno e sem brilho.
O discípulo não percebeu o que acontecera, foi ter com o mestre e contou-lhe o que fizera.
O sábio mestre fez uma pausa para refletir, e disse:
– Se continuares a aumentar a quantidade de adubo, não terás nada de valor no ano que vem. E continuou:      – Tu fortaleces alguém quando ajudas um pouco, mas enfraqueces esse alguém se continuares a ajudar muito.

ajudar

Lembra-te sempre do proverbio:
“ Se vires alguém com fome, não lhe dês o peixe, ensina-o a pescar!”

Retirado do Blog do Espaço Braga | SwáSthya Yôga

Meditação

Mensagem da Meditação

Esta mensagem foi escrita em 1967, o que justifica
a utilização de alguns termos que já não aplicamos.

O Templo da Paz está dentro de ti. De nada adianta buscá-lo lá fora. Em teu coração jaz o recanto somente acessível a ti próprio e ao qual ninguém poderá penetrar. O nome desse Templo é Anáhata e ele constitui o teu refúgio indestrutível. A ele deves recolher tua mente pela manhã e à noite, a fim de manter o caminho aberto e livre de erva daninha. Nele deves penetrar em busca de ti próprio duas vezes por dia para cuidar do asseio de teu Templo Interior.

Imagina que tão logo cerres os olhos, teu coração se torna luminoso como um Sol e nele penetra a tua consciência, como se fora o recinto de um Templo material. Visualiza um aposento acolhedor e suave, banhado numa luz azul celeste diáfana e numa temperatura amena. A Harmonia das Esferas se faz ouvir na forma de melodia tranqüila e celestial. Coloca ao Oriente uma chama votiva na qual hás de incinerar teus momentos de amargura em holocausto de tolerância à Chispa Divina que habita em ti.

Extraído do livro Mensagens, Mestre DeRose